Luxação Patelar

Luxação Patelar

Hoje vou falar de uma doença ortopédica que acomete especialmente os cães, mas pode acometer gatos também! Ela se chama Luxação Patelar.
Aqui vão algumas informações:
  • Ocorre um desencaixe da Patela, que funciona como a rótula do nosso joelho, nos cães ela é chamada de Patela.
  • Na maioria das vezes a origem é congênita, mas pode ocorrer de forma traumática atropelamento, queda, fratura);
  • A principal função da patela é realizar o movimento de flexão e extensão da articulação do joelho, funcionando mais ou menos como uma roldana;
  • É muito comum em cães Toy e de Pequeno porte (Yorkie, Spitz, Maltês, Poodle e etc), mas pode acometer cães de qualquer raça;
  • Os Cães podem apresentar 4 diferentes Graus de Luxação Patelar, o Grau I seria uma luxação mais leve e o IV o pior deles:
GRAU I
A patela sai do lugar com a ajuda da manipulação do veterinário e, quando solta, volta ao seu lugar de origem de forma imediata;
GRAU II
A partir do segundo grau do problema a patela já sai sozinha da sua posição normal , e retorna sozinha para o lugar correto;
GRAU III
A patela sai sozinha do lugar e só volta com a ajuda da manipulação de um veterinário ou por meio da própria ação do cão;
GRAU IV
Nesta fase de avanço, a patela do animal fica travada do lado de fora do sulco patelar, e nem mesmo a manipulação de um médico veterinário ou a ação do próprio cão são capazes de colocar a porção na sua posição correta e de origem – sendo o procedimento cirúrgico a única alternativa pra amenizar a situação e, neste grau, mesmo com cirurgia, há grande dificuldade em voltar o membro a sua função normal.
  • A Luxação Patelar predispõe o cão a desenvolver uma degeneração articular chamada Artrose, isso provoca muita dor e o animal pode até não apoiar mais a pata ao caminhar;
  • Os Primeiros sintomas são: Claudicação (andar manco) intermitente, que vai e volta no animal; Dores irregulares (que também aparecem em tempos de frio); O animal anda mancando com uma ou as duas pernas traseiras; O cão ou gato passa a evitar e se apoiar em uma das patas ao fazer necessidades; Articulações com aparência inchada; O animal perde a capacidade de saltar ou até pular normalmente; Parte inferior do membro gira em direção ao lado onde esta luxada (medial, para dentro ou lateral, para fora); Alguns animais ao caminhar dão uma espécie de coice ou chutinho para trás;
  • O tratamento pode ser realizado com medicação como analgésicos e condroprotetores junto com à Fisioterapia, se a luxação for de um Grau leve a moderado e Cirúrgica se a luxação for de um Grau moderado ou severo.
  • Os resultados são satisfatórios em ambos os tratamentos, se realizados por um bom profissional!
  • O diagnóstico pode ser feito pelo veterinário durante o Exame Físico, e observado também em um exame de Raio-X;

Espero que tenham gostado!

Referência Blog Dra. Thessa Petersen

Compartilhar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *